Uern regulamenta lei que destina 58% das vagas para pretos, pardos ou indígenas

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) aprovou, nesta quinta-feira (26), a regulamentação da Lei 10.480/2019, que institui a adoção da cota ético-racial e do argumento de inclusão regional para o Processo de Seleção de Vagas Iniciais 2020 (PSVI) da instituição.

Conforme a Legislação, das vagas do PSVI destinadas à cota social, 58% serão destinadas a candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas. O percentual atende proporcionalmente à população autodeclarada no RN, de acordo com o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Uern adota as cotas sociais desde 2002, destinando 50% das vagas dos seus cursos de graduação para candidatos que cursaram os ensinos fundamental e médio integralmente em escolas públicas. “Dentro desse percentual de cotas para estudantes de escola pública, iremos destinar parte destas vagas para a cota étnico-racial”, explicou o reitor Pedro Fernandes. A inclusão das cotas étnico-raciais não altera o percentual de vagas destinadas à ampla concorrência.

A resolução definiu ainda o argumento de inclusão regional, que tem como objetivo priorizar o acesso de estudantes do estado do RN, acrescentando 10% à nota dos estudantes potiguares no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Essa medida vale para alunos que concluíram os ensinos fundamental e médio em escolas do estado, sejam públicas ou particulares.

Anterior

Polícia Federal deflagra a 66ª fase da Operação Lava Jato em SP e Natal

Próximo

Filha da ex-governadora Wilma de Faria é condenada por lavagem de dinheiro

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas