Nísia Floresta é reconhecida como heroína da pátria

A educadora e poetisa potiguar Nísia Floresta deve ter seu nome incluído no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria. A Comissão de Educação Cultura e Esporte (CE) deve votar nas próximas semanas o relatório do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) que deu parecer favorável ao Projeto de Lei 1397/2019, do senador Styvenson Valentim (Pode-RN).

“Gostaria de agradecer pelo reconhecimento da importância de Nísia Floresta que, num momento conturbado como no século XIX, teve coragem para liderar o movimento feminista e abolicionista, escrevendo vários livros e sendo referência na luta pela igualdade de gêneros. Não só o Rio Grande do Norte, mas o Brasil ganhará muito em conhecer mais sobre a história desta grande mulher”, observou o senador potiguar.

O relatório já foi lido na CE pelo senador Eduardo Girão (Pode-CE), que enfatizou a história da educadora, poetisa e defensora dos direitos das mulheres, dos índios e dos escravos, e uma das mais conhecidas filhas do Rio Grande do Norte.

O livro dos Heróis e Heroínas da pátria se destina ao registro perpétuo do nome de brasileiros que tenham realizado atos em prol do país, com excepcional dedicação e heroísmo e está no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília.

Breve história de Nísia Floresta

Dionísia Gonçalves Pinto, adotou o pseudônimo de Nísia Floresta Brasileira Augusta e conquistou reconhecimento internacional pelo pensamento de vanguarda numa época em que as mulheres sequer eram ouvidas.

Nascida em Papari, cidade que ganhou o seu nome, Nísia Floresta morou por mais de 20 anos na Europa, onde conviveu com grandes pensadores. Também se destacou no jornalismo e protagonizou diversos movimentos sociais.

Ativista dos ideais abolicionistas, republicanos e principalmente feministas, influenciou a educação brasileira, dialogando com ideias europeias e rompendo limites do lugar social destinado à mulher. Aos 22 anos Nísia Floresta publicou seu primeiro livro – Direito das Mulheres e Injustiça dos Homens – que a colocou entre as pioneiras do feminismo no Brasil.

Anterior

Padre é preso no RN suspeito de estupro e exploração sexual de adolescentes

Próximo

‘Quebrando o silêncio’: Ligue 180 recebe denúncias 24 horas

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas